segunda-feira, 5 de junho de 2017

Torneio de Encerramento Distrital

O Judo da Benedita está de parabéns, novamente!


Foto de Sérgio Marques.No passado sábado,(3-05-2017), o judokinha Miguel Domingos foi ao seu 1º torneio de Judo ( Torneio de associativo de encerramento), na Marinha Grande. E foi brilhante, pois em 3 combates teve vitórias por ippon.

Espero que o seu gosto pelo Judo perdure...



quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Mérito, Graduações e Banalização



A minha reflexão...

A graduação, no meu entender, representa um conjunto de saberes que um individuo é portador na sua área e que foi posto à prova para o ter (exame).

O Mérito, é retribuição dada por uma entidade a alguém que através dos seus feitos, saberes, dignifica a sua cooperação e reconhecido pelos seus pares, perante certos critérios específicos. 

Banalização é tornar alguma coisa como corriqueira sem grande importância entre pares.


Infelizmente, chegou ao Judo a banalização do simbolismo da graduação que o cinto negro representa.



Por mim, que gosto e encarno os valores morais da minha Arte é me indiferente o que se passa. Tento sim, passar o conhecimento técnico e os valores aos indivíduos que comigo comungam o prazer que o Judo nos dá.

Rei...

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Campeonato Nacional de Judo Seniores 2015



No passado sábado (5/12/2015), o judoca Valter Inácio, atleta da secção Judo do Externato Benedita, ficou em 5º lugar no campeonato Nacional de Judo de Seniores.


O nosso atleta,  que pratica Judo desde seu 12 anos, já foi vice campeão da zona centro. Conseguindo, desta vez, chegar aos 5 melhores atletas da actualidade na categoria -100kg.

Parabéns!

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Judo@escola - Judo na Escola

Breve comentário
Só podemos crescer se formos muitos...
Iniciativas destas são de salutar, mas ficam por aí...porque acções para prof de ed físicas dão créditos, mas no dia -a-dia, eles darão as matérias curriculares e de vez quando alguma coisa ligeira sobre a iniciação à pratica do judo.
Agora se querem solidificar e alicerçar a prática do Judo, deveriam aproveitar os diversos treinadores, que muitos são, também, professores de Ed. Física, que a Federação apostou nos diversos cursos que tem vindo a desenvolver com as associações de judo e que depois não utiliza, por falta de orçamento.
Mas todos sabemos que o dinheiro aqui é uma falsa questão, porque os prof. ed. física, que simultaneamente também, são titulares nos diversos graus na dita modalidade são recursos que não são utilizados, podendo o ser, numa mudança estratégica dos recursos da parte do ministério da educação a custo zero, ou seja em vez de darem aulas como profs. generalistas na área da ed. física serem aproveitados como especialistas de judo nas escolas/ desporto escolar a tempo inteiro.
As Entidades/Estado formam os indivíduos que acham devem ter para bem dos diversos domínios, desportivo, saúde, económico-financeiro etc, depois cai sempre na mesma asneira, não aproveita recursos que formou porque falsa questão é a financeira, para depois, ter direito ao monopólio das diversas área.
É pena, porque assim o país não desenvolve em nenhum vertente, continuando dependente sempre de terceiros.
--
Sérgio Marques

sábado, 18 de abril de 2015

Mestre Kiyoshi Kobayashi









Nasceu no dia 09 de abril de 1925, em Gunma-Ken, no norte do Japão, originário de uma família Samurai. Naquele tempo, tal como agora, o Judo fazia parte do programa curricular das escolas japonesas. Aos 13 anos K.K. já tinha conquistado um título importante na sua escola, mas a ambição, talento e eficácia levaram-no a querer aprender mais. Aos 16 anos, K.K. foi estudar para a universidade de Nihon, em Tóqio, onde acumulou o curso de Educação Física com o de professor de Judo na Academia Kodokan. Adquiriu também os conhecimentos de medicina oriental no Instituto Ryodoraku  e em especial, as técnicas de recuperação de lesões.

Aos 19 anos interrompeu os seus estudos e participou na II Guerra Mundial, sendo integrado nos comandos kamikase aerotransportados, um grupo de elite das forças armadas nipónicas, onde as hipóteses de sobreviver eram extremamente reduzidas. K.K. sobreviveu a duas missões suicidas, bem como aos demais confrontos de guerra.
Após a guerra, o Japão inicia então um processo de recuperação, em que uma das preocupações é de fazer renascer as tradições culturais. Assim sendo, o Governo Japonês envia especialistas em artes marciais pelo mundo fora, com a missão de demonstrar, ensinar e divulgar esta importante tradição cultural nipónica. K.K. foi escolhido para esta missão e de 1952 a 1958 visitou e permaneceu em vários países ensinando Judo - Estados Unidos, Egipto,Grécia, Bélgica, Itália, Alemanha, França, etc.- mas foi Portugal o país onde viria a fixar-se definitivamente.
Com a vinda do Mestre K.K. (nome como é conhecido entre os seus alunos) para Portugal em 1958 e com o Judo a dar pequenos passos sob a orientação dos Mestres Abe e Henri Bouchend´Homme, o Mestre K.K. passou a colaborar com o Judo Clube de Portugal, onde o entusiasmo pela modalidade cresceu rapidamente. Este entusiasmo estendeu-se a outros locais através das demonstrações, aulas abertas e colaborações que o Mestre realizava em muitos pontos do país. Os primeiros tempos foram difíceis na tarefa de assumir a liderança do desenvolvimento da modalidade em todo o país. O choque cultural era imenso e K.K. teve de aprender a falar português, bem como a adaptar-se a toda a cultura lusitana.
Em 1958 o Mestre K.K. assinou então um contrato para ficar em Portugal por um período de dois anos. Nesta sequência, aceita o convite para integrar o corpo docente do então Instituto Nacional de Educação Física (INEF), onde lecionou durante dez anos, tendo organizado os métodos de ensino e as práticas pedagógicas para os estudantes deste Instituto, que puderam incluir o Judo na sua formação e conseguiu que muitos dos estudantes começassem a competir a nível regional, nacional e internacional. Destaca-se o nome do Fernando Costa Matos, atleta olímpico que iniciou o Judo no INEF em 1959 e em 1964 participou pela 1.ª vez nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Muitos estudantes seguiram os métodos de K.K. sendo hoje reconhecidos profissionalmente como treinadores de Judo de grande prestígio, destacando-se o Mestre Bastos Nunes, 8.º Dan e um grande tecnicista, mesmo a nível europeu, seu aluno e seu grande amigo.
O Mestre K.K. organizou todos os aspectos competitivos do Judo em Portugal, levando a que os primeiros Campeonatos Nacionais de Judo se realizassem no INEF, e o seu trabalho foi um marco decisivo para a organização e desenvolvimento do Judo nacional. 

Foi também o responsável pela organização da Federação Portuguesa de Judo, onde desempenhou funções de treinador, selecionador, diretor técnico, árbitro internacional e Presidente da Comissão Nacional de Graduações.
Ao longo dos mais de 50 anos que passou em Portugal, K.K. conseguiu o estatuto de docente do Kodokan "destacado", e foi o Mestre que teve a mais alta graduação em Portugal - 9.º Dan (cinto raiado de vermelho e branco) e uma das maiores do mundo.
Lecionou em vários Clubes (JC Portugal, Sporting Clube Portugal, JC Beja, etc.) e na Escola Naval, Escola de Fuzileiros, Academia da Força Aérea, Escola Superior de Polícia, Academia Militar, etc. 

Publicou internacionalmente dois livros de Judo: "Judo Kyu e Dan" e "Sport of Judo".
Foi Professor e amigo de importantes personalidades da sua época, como o Presidente Nixon (EUA), o Rei da Grécia (Constantino II) e Juan Carlos (ex-Rei de Espanha), e na sua Clínica recuperou de graves lesões, com a sua medicina oriental alternativa, figuras como Carlos Lopes (antes da medalha de ouro na maratona dos JO de Los Angeles) ou o Presidente da República Portuguesa General Ramalho Eanes.
Foi verdadeiramente em Portugal o Grande Mestre dos Mestres, a quem se devem, em última análise, os excelentes resultados internacionais do Judo nacional e muitas das suas façanhas perdem-se até nas lendas e nas brumas do tempo!
O mérito do Mestre K.K. foi reconhecido por vários Governos e Instituições nacionais e estrangeiros, destacando-se as condecorações com a Cruz do Imperador, por parte do governo Japonês e a medalha de Bons Serviços pelo governo Português; foi-lhe concedido o diploma de Mérito, Classe Intercâmbio Cultural, do Ministério dos Negócios Estrangeiros Japonês; o prémio de Prestígio da Fundação do Desporto (recebido das mãos do Presidente da República Portuguesa, Dr. Jorge Sampaio), a Medalha Olímpica do COP e o Prémio Carreira da Confederação do Desporto de Portugal. Foi ainda galardoado, em 2008, com a Medalha de Mérito Desportivo do Governo Português e a Medalha de Ouro da Federação Portuguesa de Judo.
Partiu para o "Oriente Eterno" em Setembro de 2013, mas deixou-nos muita, muita SAUDADE!

Renato Kobayashi 
(http://www.fpj.pt/noticias/geral/2015/parabens-mestre-kiyoshi-kobayashi)

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Parceria Escolar no Judo



A turma do Curso de Desporto do INSE esteve na secção do Judo para reforçar os seus conhecimentos.


Obrigado pela vossa presença!

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Torneio do Carnaval

No passado sábado ( 15/2/2014), realizou-se o Torneio do Carnaval na Marinha Grande.
O Judo da Benedita esteve presente com o judokinha Guilherme Serralheiro, que participou como muita garra!

( Judoca com seu pai )